Budapeste de Chico Buarque

Budapeste nas pegadas do Chico Buarque de Holanda

Caminhada para brasileiros

Detecte o ambiente da nossa capital que os turistas não chegam a conhecer! Tour para ver lugares do filme intitulado Budapeste, dirigido por Walter Carvalho, baseado do livro do Chico Buarque de Holanda.

Vocês chegaram à capital do país dos Magiares. A nossa língua é o Húngaro, língua que mesmo o diabo respeita. Chico tem a impressão que Budapeste é uma cidade amarela. Vamos descubrir os lugares queridos do Chico.

Começamos o nosso percurso no Centro da cidade de Peste. Os Magiares (os Húngaros) habitam este território já depois de mil anos, as três cidades, Buda, Óbuda e Peste se juntaram apenas há 120 anos. Vamos admirar a primeira ponte permanente entre as três cidades, a ponte das Correntes, construída no século XIX e a quase dois quilômetros está a ponte Marguerite, contatando a ilha Margarida com a medieval Buda, Bairro do Castelo Real, Igreja Mathias e Bastiao dos Pescadores, Patrimônio Mundial da Humanidade, a Óbuda dos tempos romanos e a Peste modernista e moderna, com vistas do Parlamento, formando a chamada pérola do Danúbio, Budapeste. Entre as duas pontes está repousando o navio-restaurante Europa, que parece como um barco cotidiano, mas ela se abre para eventos privados o para filmagens como o caso do filme brasileiro.

Na Avenida Andrassy, referida de "Champs-Elysée de Budapeste" fica outro lugar da filmagem do Chico Buarque:

A Livraria dos Escritores, (Írók Boltja em húngaro). É tudo o contrario das enormes livrarias nos grandes supermercados do Brasil. É uma livraria tradicional dos tempos antigos, estilo tradicional, não é reformado, já existe de antes da segunda guerra mundial, como os europeus contam o tempo. Visitamos o lugar, sitio da zona de bares e restaurantes ricos de moda, dentro cheio de estantes de livros até o atiço. De regra naturalmente encontramos capas de livros muito interessantes (estatua famosa do Cristo Redentor combinado com as casas do Parlamento de Hungria em cores de abóbora naturalmente) das traduções húngaras, ingleses e alemães do nosso livro e jornais sobre a filmagem.

O lugar seguinte da filmagem que visitamos chama-se Kiadó Kocsma és Étterem (Editora Tasca e Restaurante) na praça Jókai, em frente da praça Franz Liszt. Visitamos o lugar onde na filmagem os escritores se reuniram para discutir, que foi depois o sitio de trabalho do Zsozé Kószta. Uma pequena sala do bar foi escolhida pelo diretor Walter Carvalho, muito simples, em cor bordó, decorado de peças clássicas da literatura húngara dos anos pós-guerra.

A continuação da Avenida Andrássy, detrás da impressionante praça dos Heróis, na Parque da Cidade existe uma estatua, homenagem ao primeiro historiador-escritor húngaro no século XII que escreveu a GESTA HUNGARORUM, a historia dos húngaros antes de chegar no pais atual. Como nunca ninguém soube do seu nome, pode ser nomeado „colega anônimo” de Jose Costa, Anônimos em latim, com palavra moderna ghost-writer. Chico Buarque escreveu o livro como ficção, sem ter sido anteriormente visitando Budapeste. Ao introduzir o novo livro no mercado húngaro ele visitou a estatua Anônimos, ficou a gostar dela e adaptou no filme como ghost-writer Zsozé Kószta dando homenagem ao personagem anônimo.

Caminhada de 3 horas, tour privado com guia privado